No Eu Confesso você desabafa em TOTAL ANONIMATO O que espera? Desabafe! Clique no botão à direita.

(A lista não inclui usuários em conversa privada) , são alguns usuários que estão no Bate-papo / CHAT. O que você está à espera? Junte-se a eles e divirta-se um pouco!! (att: para maiores de 18 anos apenas)

Alquimia de Quilate Masculino

Confissão ID: 219178 - Por favor LEIA PRIMEIRO o texto antes de votar. Obrigado.

Partilhar: Facebook Twitter Linkedin

Eu confesso que este relato é um daqueles dignos de serem comparados aos que se contam acerca das paragens dos Montes Urais e da Transilvânia; algo a ser revelado com reserva e respeito sentidos, principalmente porque o fato ocasiona sempre profunda transformação na alma de quem toma conhecimento. Ocorreu numa dessas paisagens remotas escondidas na Europa onde o progresso é palavra quase desconhecida porque ainda é muito densa a sombra do fanatismo e da superstição. Eu estava lá a passeio em visita a uns primos distantes. Chegou o Sábado de Aleluia e o povoado aumentou a expectativa que fervilhava desde alguns dias. É que nessa aldeia a malhação de Judas tem um diferencial que consiste em roubarem o inditoso boneco após a meia noite da sexta-feira porém não se trata apenas de uma brincadeira mas de um ritual. Os Judas são colocados em locais estratégicos e não revelados tendo alguém de sentinela até o amanhecer porque o grupo dos ladrões não dormem. Seja pela ação dos gaiatos raptores seja pela presença simbólica de Judas, nessa noite paira sempre um quê demoníaco no ar. Fui convidado a partilhar do grupo dos gatunos que se faziam de alheios ao folguedo, para ficarem anônimos, e se aproximarem daqueles que ficavam com os bonecos sob sua guarda para descobrir onde escondiam os Judas. Na fatídica noite um dos nossos, pretextando ir dormir mais tarde, foi distrair a atenção de uma sentinela enquanto eu cortava as cordas que prendiam o enorme personagem à árvore da pracinha. O boneco caiu bem em cima de mim que vi minha alegria se transformar em horror pois reconheci o cheiro asqueroso que revelava a influência diabólica que se misturava com as sombras daquela noite. Aterrorizado larguei prá lá o monstrengo e corri a me esconder em casa enojado. Mergulhei de cabeça num tanque de água tentando me livrar da coisa viscosa que grudou na minha memória até hoje. No dia seguinte inventei um mal estar e não saí de casa até retornar ao Brasil dias depois. Desde então nunca mais participo de nenhuma espécie de pegadinha. O Judas fora lambuzado com merda mole.

Texto desabafado por Genaro , em Domingo, 21 de Abril de 2019
ÁUDIO: OUVIR O TEXTO - clique em OUVIR O TEXTO e aguarde um pouco - Pausar - Retomar - Parar
Quanto maior o texto, mais tempo demora a começar a leitura. Por favor aguarde.
  • Você já leu todo o texto? Por favor vote este desabafo, clicando nas estrelas. Genaro agradece.
Atualmente é quase humanamente impossível ler todas as novas confissões que são publicadas diariamente. Se você considera que esta confissão é ilegal, não está de acordo com as regras (*) do Eu Confesso [* regras listadas na página de publicação de confissões] ou ultrapassa todos os limites do razoável, por favor relate, utilizando o link REPORTAR ABUSO. Obrigado pela sua colaboração.

Comentários ao Desabafo de Genaro

Por favor seja construtivo nos seus comentários.

0
0
0
0


r